Home / Noticias Blog / Justiça determina que Prefeitura de Curitiba crie ações sociais para famílias de catadores de recicláveis

Justiça determina que Prefeitura de Curitiba crie ações sociais para famílias de catadores de recicláveis

12/09/20 às 10:32

Redação Bem Paraná

Atendendo pedido formulado em ação civil pública, a 4ª Vara da Fazenda Pública da capital determinou que o Município de Curitiba promova adequações nas iniciativas públicas previstas pela Política Nacional de Resíduos Sólidos para atendimento dos catadores de materiais recicláveis e seus filhos. A ação foi inicialmente ajuizada pelo Ministério Público Regional do Trabalho da 9ª Região e posteriormente assumida pelo Ministério Público do Paraná, por meio da Promotoria de Justiça de Proteção ao Meio Ambiente de Curitiba.

O Ministério Público alega na ação que as condições dos filhos dos coletores de lixo reciclável são precárias, com exposição a riscos e comprometimento da saúde, e que não há alternativa para os pais a não ser levá-los para as jornadas de coleta, ante a falta de vaga nas creches e escolas. A decisão condenatória obriga o Município a implantar ações voltadas ao atendimento das famílias de catadores de recicláveis.

Obrigações – Foram determinadas pelo Judiciário as seguintes obrigações para o Município de Curitiba: a) adequar a política pública e o Plano Municipal de Resíduos Sólidos, sobretudo o Programa Ecocidadão, aos princípios e objetivos da Lei 12.305/2010, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, revendo aspectos contratuais, como repasses de valores e obrigações por parte do Município de Curitiba, a fim de que o programa funcione de maneira efetiva e suficiente; b) articular e desenvolver junto à Fundação Social de Curitiba, aos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) e aos Centros de Referência Especializados de Assistência Social (Creas) um segmento voltado para o atendimento dos catadores, associados e cooperados e diretamente ligado ao Programa Ecocidadão, a fim de atender o objetivo de inclusão e emancipação social previsto na referida lei; c) desenvolver e implantar ação para fiscalização efetiva do comércio de resíduos sólidos recicláveis por empresas sem a devida autorização administrativa, bem como coibir tal prática, buscando alternativas concretas para o repasse dos resíduos às associações e cooperativas, conforme primazia conferida pela mesma legislação.

A decisão judicial – da qual cabe recurso – estabelece o prazo de 120 dias, contado a partir do trânsito em julgado da ação, para o réu apresentar projeto executivo a ser validado pela Promotoria de Justiça de Proteção ao Meio Ambiente, advertindo que seu descumprimento implicará crime de desobediência e ato de improbidade administrativa, ensejando ainda a aplicação de multa.




Fonte: Post Completo

Sobre Hidro Curitiba

Verifique também

Operação contra covid-19 fecha casa noturna no Batel, em Curitiba

Operação contra covid-19 fecha casa noturna no Batel, em Curitiba

Mais estabelecimentos do setor de bares, restaurantes e lanchonetes foram fechados na noite de sábado …

Call Now Button