Home / Noticias Blog / Lei que prevê a instalação de bicicletários em escolas do RJ é apresentada na Alerj

Lei que prevê a instalação de bicicletários em escolas do RJ é apresentada na Alerj

Foto: Reprodução Internet


O deputado estadual Capitão Paulo Teixeira apresentou na Assembleia Legislativa do RJ (ALERJ) um Projeto de Lei que quer instalar estruturas adequadas para guardar bicicletas, os populares bicicletários, em escolas públicas e privadas do estado.

Caso a lei seja aprovada, as unidades de ensino terão 180 dias para instalarem os dispositivos.

O texto da proposta cita que em 04 de outubro de 2018, foi sancionada a Lei nº 13.724, que instituiu o Programa Bicicleta Brasil (PBB), para incentivar a inserção da bicicleta como meio de transporte em todas as cidades com mais de vinte mil habitantes, visando a melhoria das condições de mobilidade urbana.

De acordo com o autor do projeto, “é nítido o crescimento acentuado do uso da bicicleta como transporte cotidiano em todo o país, não sendo diferente no Rio de Janeiro. Essa tendência, que é mundial, justifica-se pelos seguintes argumentos: a bicicleta promove a saúde e a inclusão social, contribui economicamente com os estados e as cidades, e é um veículo de baixo custo e sustentável”. e complementa

A instalação de bicicletários nas escolas públicas e privadas em nosso estado será um importante instrumento para facilitar a locomoção dos estudantes e funcionários da rede escolar, já que para o deslocamento de pequenas e médias distâncias a bicicleta é, reconhecidamente, o transporte mais barato, ecológico, saudável e sustentável, que vem sendo cada vez mais utilizado, bastando apenas que haja um lugar seguro para estacionar.
Entre outras vantagens, a utilização da bicicleta para o deslocamento casa-escola-casa contribuirá para diminuir as emissões de gases na atmosfera, além de desafogar o trânsito
“.

O deputado Capitão Paulo Teixeira também diz que a maioria dos estudantes possui bicicleta e o transporte para a escola não é feito através dela simplesmente, porque não têm onde acomodá-la com segurança e praticidade.

Esta é a queixa de muitos estudantes que já adotaram a bicicleta como instrumento de lazer e de prática esportiva, mas que ainda não puderam fazê-lo para o deslocamento até a escola. O mesmo ocorre com os professores e demais profissionais que trabalham nas instituições de educação que residem perto do trabalho“.




Fonte: Post Completo

Sobre Hidro Curitiba

Verifique também

Na zona Norte, apenas 3% da população conta com esgotamento

Tribuna do Norte – Natal terá 100% de esgotamento sanitário até 2022, prevê Caern

Cláudio OliveiraRepórter O mau cheiro é ordenado na frente da casa da feirante Márcia Pereira, …

Call Now Button