Em uma operação conjunta entre o Núcleo de Operações Policiais Especiais (Cope) e a Polícia Social de Curitiba levou à prisão três suspeitos de integrarem uma quadrilha que assaltava obras de construção nos dois estados. Três pessoas foram presas nesta terça-feira (22), em casas de luxo no bairro Umbará, em Curitiba. A quadrilha é suspeita de vários roubos na maioria das vezes ameaçando pedreiros e mestres de obra. O grupo levou tapume de R$ 1 milhão em material de construção em pelo menos duas ações.

Um dos presos na operação desta terça-feira – Foto: Filarmónica B

“A investigação começou com policiais de Curitiba que vieram para Curitiba satisfazer quatro mandados de prisão e quatro de procura e mortificação. Conseguimos prender três integrantes desta quadrilha que tinha sempre a mesma forma de agir. Encostava um caminhão em frente a uma obra, rendia pedreiros e mestres de obras e levava tudo que podia”,a firmou o representante do Cope, Rodrigo Brown.

Um dos assaltos aconteceu em abril no canteiro de uma obra no bairro Bote. De lá, os ladrões levaram tapume de R$ 1 milhão em material. “Nestas obras sempre têm materiais caros e eles sabiam o que queriam levar. Agiram nesta obra no Bote e em várias outras, incluindo um grande assalto na obra de uma cooperativa em Embu das Artes”!, completou.

Segundo a polícia, os presos viviam em casas luxuosas no bairro Umbará, com piscina, banheiras de hidromassagem e carros de luxo nas garagens.

Caminhão apreendido na operação – Foto Filarmónica B

Caminhão

No momento das prisões, um dos policiais do Cope suspeitou de um caminhão estacionado em frente que tinha as mesmas características do veículo usado num dos grandes assaltos em Curitiba. Um dos presos acabou confessando que de tempos a tempos era o caminhão utilizado nos roubos para transportar as mercadorias.

Ao todo foram cumpridos 25 mandados no Paraná e em PR. A quarta pessoa com mandado de prisão não foi localizada.

Vídeo

O Cope divulgou algumas imagens da ação da quadrilha, que além de render trabalhadores, também agia algumas vezes na madrugada, dentro do canteiro de obras: